Quinta-feira, 18.11.10

Portugal que Futuro- Leitura obrigatória para encontrar uma saída, em Democracia, para este País.

Portugal, Que Futuro?

publicado por Barto lo meu às 17:28 | link do post | comentar

Leitura indispensável- É na educação que está a chave da nossa sobrevivência.

Aghhhh

publicado por Barto lo meu às 10:33 | link do post | comentar
Quarta-feira, 17.11.10

A greve geral do dia 24 de Novembro de 2010

Dizem e escrevem que a greve geral marcada para o próximo dia 24 está a suscitar a simpatia e a falta ao trabalho de muita, mas mesmo muita gente,( boa decisão, acrescento eu), mas parte desta gente não participa. E porque será?

Em minha opinião aquele facto deve-se à falta de credibilidade quer da eficácia da greve, quer sobretudo ao descrédito que os dirigentes sindicais profissionais ,têm sobre uma larguíssima massa de gente que trabalha e paga os seus impostos. Tal como no plano partidário, também os sindicatos deveriam passar por um a profunda mudança, particularmente revendo o seu quadro de pessoal profissional,  elegendo a participação dos associados como regra e os profissionais, (os que são remunerados) a excepção. Para que a grande multidão não fique fora das decisões que estão ser tomadas em seu nome, e para que o seu futuro seja menos desgraçado, seria bom que nos levantássemos do chão.

publicado por Barto lo meu às 10:26 | link do post | comentar
Quinta-feira, 11.11.10

Ninguém quer perder poder e privilégios .

A luta que agora se trava entre os detentores do poder central, autárquico e regional para ver qual deles perde menos poder e benesses, é a imagem deste País devastado e explorado por uma classe política interesseira, cujo patriotismo deixa muito a desejar. Para os outros, o povo, que trabalha que paga os seus impostos, elevadíssimos, é sempre pouco, mas para eles, os intocáveis, os eleitos, sabe-se lá porque divindade, sacodem a agua do capote, com mil desculpas mais as leis que os protegem para tentarem levar a agua ao seu moinho e continuarem no seu caminho leves e impunes.

publicado por Barto lo meu às 16:30 | link do post | comentar
Terça-feira, 09.11.10

É imperioso reduzir o défice público

"É imperioso reduzir o défice público", incluindo "explicitamente o controlo das despesas públicas", conclui o documento, reforçando que "quaisquer ganhos na trajectória de consolidação devem vir desse controlo das despesas e não do lado das receitas". 

Segundo o relatório, "paralelamente ao défice externo, Portugal apresenta um dos piores desempenhos" da zona euro em termos de variação do PIB, com uma taxa de crescimento médio de apenas 0,6 por cento, na primeira década do século XXI, apenas superior à Itália e à Alemanha. 

"À partida, quando se inicia o ano, já cerca de cinco por cento do PIB está destinado para a remuneração líquida de juros e dividendos ao exterior", revela o documento, destacando a necessidade da produção de excedentes da balança comercial. 

Tendo em conta o contexto político-monetário da zona euro, os elevados níveis dos défices público e externo da economia portuguesa e os níveis de endividamento público e externo são um "forte condicionamento à política e ao rumo da economia", sublinha, o documento que considera a "austeridade" uma medida necessária. 

Além disso, destaca ainda o agravamento às condições de financiamento como a alternativa à redução do défice no curto prazo e adianta que os indicadores da economia espanhola evidenciam uma correcção significativa do respectivo défice das contas públicas, o que torna Portugal ainda mais vulnerável, "caso tal não ocorra de algum modo na economia portuguesa". 

Por isso, Portugal terá de prosseguir um padrão de consolidação orçamental "credível" para "tentar desagravar as condições do financiamento da sua dívida soberana" e procurar pela "via exportadora e das pequenas e médias empresas assegurar condições crescimento" e logo "desagravar o financiamento do seu endividamento externo e o desemprego", frisa o documento. 

"O país enfrenta um dilema: ou se tomam acções decisivas para resolver os desequilíbrios macroeconómicos ou deixa-se que eles sejam corrigidos pela imposição de terceiros, com terríveis custos sociais, conduzindo a um ciclo vicioso de empobrecimento relativo e ao prolongado definhamento do país", alerta o relatório. 

O documento adianta que os indicadores mais recentes da conjuntura económica internacional, nomeadamente da China, apontavam, em princípio de Setembro, para uma recuperação mais favorável do que a prevista, excepto no caso da economia norte-americana. 

A China, sublinha o documento, "contribuiu para salvar o euro, evitando uma crise financeira internacional e criando uma zona monetária tampão entre si e os EUA", pelo que a prazo, "mais breve" do que o esperado, a dependência europeia em relação à China "será mais visível" em diversos domínios.  "SaeR" - Sociedade de Avaliação Estratégica e Risco

tags:
publicado por Barto lo meu às 16:38 | link do post | comentar

pesquisar neste blog

 

Novembro 2010

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
15
16
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

posts recentes

últ. comentários

  • A China é de facto um grande país, com uma economi...
  • Encarar a verdade não tem nada de retrógrado. Tent...

Posts mais comentados

arquivos

tags

links

subscrever feeds

blogs SAPO